Mãe é Ternura.

Mãe palavra doce e terna, verdade em carinho e pureza em amor, somente quem teve e perdeu uma mãe sabe da saudade e da dor.
Mãe a saudade que sinto é muita, mas isto ninguém vê, pois só eu e você sabíamos a cumplicidade que havia em nós.
Mãe quando a dor e a saudade aperta meu peito dói e eu choro, sei que não vais voltar, mas mesmo assim insisto em pensar que queria lhe ver e lhe abraçar.
Sei que o tempo não traz você de volta, mas eu queria ir a seu encontro e lhe dizer da falta que me faz, de como me sinto sem você e sua proteção, sem seus carinhos e suas bençãos.
Mãe a saudade é tanta que as vezes me perco nas lembranças e chego a pensar que estou sonhando e quando acordar você ali vai estar, mas para minha tristeza olho ao redor e nada vejo além do vazio de sua falta.
Queria voltar a ver seus olhinhos miúdos e sua boca pequena a sorrir, mas apenas sei que o imenso vazio que existe é a falta de você.
Mãe que saudade ! Como eu te amo!
 As lágrimas rolam de meus olhos e molham meu rosto, me fazem lembrar de quantas vezes lhe vi chorar sem entender que a mesma dor que sentias é a dor que sinto agora.
Mãe queria te dizer tantas palavras bonitas, mas a timidez não me deixava , apenas resumia tudo que sentia por ti num beijo cheio de amor que lhe dava todas as vezes que via.
Hoje mãe eu entendo suas lágrimas e sei que um dia meus filhos irão entender as minhas.
Mãe eu te amo e te amarei eternamente.

Texto da escritora Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer natureza ou divulgação em qualquer meio, do todo ou parte desta obra, sem autorização expressa da autora sob pena de violação das Leis Brasileiras e Internacionais de Proteção aos Direitos de Propriedade Intelectual.



Luzia Couto é autora do Romance "Uma prisão no paraíso", á venda nas livrarias Clube de Autores (Versão Impressa) e Amazon (Versão Digital)