Pular para o conteúdo principal

Amor Inocente.

Inocência de criança malicia de mulher
Rosa bela e orvalhada brincando com um mal me quer, rosa menina olhar sedutor perfume jasmim,
Sorriso encantador e paixão sem fim.


Toda mulher necessita de carinhos e atenção

Amores sucedidos e muita emoção, assim se sentem felizes realizadas,
Ou será que talvez não.


Corpo esguio cintura violão

Olhar meigo cheio de charme, malicia e sedução coração,
Batendo aflito pura emoção.


Olhares se cruzam no meio da multidão

Passos firmes descidos e muita atenção, ela vai olhar e será que vai parar, que sensação,
Assim o tempo passa e pessoas vem e vão.


A mulher infeliz a alma canta triste

Já cansada de esperar o amado que  nunca decide indo e vindo,
É muita aflição para um coração amante.


Os olhares cessam os corpos esfriam

Coração bate lento pausado, mas ela ainda tem esperanças de ver novamente,
Seu amor dos tempos passados que outrora foi seu namorado. 


Texto da escritora Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer natureza ou divulgação em qualquer meio, do todo ou parte desta obra, sem autorização expressa da autora sob pena de violação das Leis Brasileiras e Internacionais de Proteção aos Direitos de Propriedade Intelectual.




Luzia Couto é autora do Romance "Uma prisão no paraíso", á venda nas livrarias Clube de Autores (Versão Impressa) e Amazon (Versão Digital)

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Innocence of child malice
Beautiful and dewy rose, playing with an evil wants me
Pink girl look seductive perfume jasmine,
Charming smile and endless passion.


Every woman needs caring and attention

Successful loves and lots of excitement,
So they feel happy fulfilled
Or maybe not.


Body slim waist guitar

Sweet look full of charm,
Malice and seduction, heart
Beating with pure emotion.


Looks cross in the crowd

Steady steps down and a lot of attention,
She will look and will stop, what a sensation
So time passes and people come and go.


The unhappy woman the soul sings sad

Already tired of waiting, the beloved who
Do not ever decide, coming and going
It is a lot of affliction for a loving heart.


The looks cease the bodies cool

Heart beats slowly slow, but she
Still has hopes of seeing again,
Her love of times past that was once her boyfriend.
Text of the author Luzia Couto. Copyright The author is reserved. No part of this work may be copied, collated, reproduced or reproduced in any medium without the express authorization of the author under penalty of violation of the Brazilian and International Laws for the Protection of Intellectual Property Rights.



Luzia Couto is the author of the novel "A Prison in Paradise", for sale at bookstores Club de Autores (Printed Version) and Amazon (Digital Version)

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Inocencia de niño malicia de mujer
Rosa hermosa y orbita, jugando con un mal me quiere
Rosa niña mirada seductora perfume jazmín,
Sonrisa encantadora y pasión sin fin.

Toda mujer necesita cariños y atención
Los amores sucedidos y mucha emoción,
Así se sienten felices realizados
O quizá no.

Cuerpo de la cintura de la cintura
Mirando a mi alrededor, lleno de encanto,
Malicia y seducción, corazón
Golpeando con aflicción pura emoción.

Las miradas se cruzan entre la multitud
Pasos firmes bajados y mucha atención,
Ella va a mirar y va a parar, qué sensación
Así que el tiempo pasa y la gente viene y va.

La mujer infeliz el alma canta triste
Ya cansada de esperar, el amado que
No nunca decide, yendo y venido
Es mucha aflicción para un corazón amante.

Las miradas cesan los cuerpos se refrescan
El corazón late lento pausado, pero ella
Todavía tiene esperanzas de ver de nuevo,
Su amor de los tiempos pasados ​​que en otro tiempo fue su novio.

Texto de la escritora Luzia Couto. Derechos de Autor Reservados a la autora. Prohibida la copia, pegado, reproducción de cualquier naturaleza o divulgación en cualquier medio, del todo o parte de esta obra, sin autorización expresa de la autora bajo pena de violación de las Leyes Brasileñas e Internacional de Protección a los Derechos de Propiedad Intelectual.


Luzia Couto es autora del romance "Una prisión en el paraíso", a la venta en las librerías Club de Autores (Versión impresa) y Amazon (Versión Digital)
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
enfant Innocence femme malice
beau, rose jouer avec un dewy mal veulent me
fille rose regarder jasmin parfum séduisant,
sourire charmeur et sa passion sans fin.

Chaque femme a besoin d'affection et de l'attention
amour avec succès et de l'émotion,
Donc, se sentir heureux tenue
Ou peut-être pas.

mince guitare corps de taille
Regardez doux plein de charme,
Malice et séduction, coeur
Battant l'émotion pure affligée.

Les yeux se rencontrent dans la foule
est descendu régulièrement et soigneusement,
Il regardera et s'arrêtera ce sentiment
Donc, le temps passe et les gens aller et venir.

L'âme de la malheureuse femme chante triste
Fatigué d'attendre, le bien-aimé que
Ne jamais décider, aller et venir
Il est beaucoup de détresse à un amant de cœur.

Ressemble corps cessent refroidissent
Battements de coeur en pause lente, mais elle
espère toujours revoir,
Son amour des temps passés qui était autrefois son petit ami.

écrivain Luzia Couto du texte. Droit d'auteur réservés par l'auteur. La copie, le collage, la reproduction ou la divulgation de toute nature sur tout support de tout ou partie de ce travail sans l'autorisation de l'auteur, sous peine de violation de la loi brésilienne et internationale pour la protection des droits de propriété intellectuelle.


Luzia Couto est l'auteur de romance "Une prison au paradis" en vente dans les librairies Auteurs Club (Version imprimable) et Amazon (Digital Version)

Mais Vistas do Mês

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…